GAG

Coletivo Qualquer - Espanha / Brasil

GAG 2
QUARTA 8 DE JUNHO 18H30
local: Sesc Campos Sales
duração: 35 min
ingresso: gratuito
classificação: 10 anos

GAG* é uma pergunta, é uma tentativa de colocar um problema em cena (problema: algo lançado aí a diante – colocar uma dificuldade em cena – da conferência de Diego Agulló). Um convite que tem a ver com a atribuição de significados às coisas, nesse caso, a um corpo que se move. Uma tentativa de gerar um território impossibilidade, de significar desde um excesso de interpretação – esvaziamento? potência? tédio? Serão os significados uma construção ou serão eles inerentes à matéria que significam? O que é que se produz no exagero de significados que interrompem uma lógica de relações de sobreposição entre corpo e palavras? Qual corpo?
GAG é uma pergunta acerca de um corpo dançando em cena hoje.

* Do termo que indica sobretudo algo que se mete na boca para impedir a palavra, seguido da improvisação do ator para subsanar um vazio de memória ou uma impossibilidade de falar.

FICHA TÉCNICA:
Conceito: Coletivo Qualquer
Criação e Interpretação: Luciana Chieregati;
Co- direção: Ibon Salvador
Texto: Luciana Chieregati em colaboração com Ibon Salvador, Camila Téllez , Idoia Zabaleta, Rosa Casado, Mike Brooks;
Som: Eduardo Zallio;
Acompanhamento: Idoia Zabaleta, Rosa Casado, Rafael Lamata, Jaime Vallaure, Camila Tellez, Ibon Salvador, Victoria Perez Royo;
Foto: Camila Tellez.

O Coletivo Qualquer nasce em Lisboa no ano de 2008 a partir do encontro entre os coreógrafos e investigadores Luciana Chieregati (BR) e Ibon Salvador (ESP). Luciana é formada em dança pela Universidade Anhembi Morumbi e Ibon é formado em Belas Artes pela Universidade do País Vasco. Ambos são mestres em Práctica Escénica y Cultura Visual pela Universidade Castilla La Mancha, em colaboração com o Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia. Seu interesse centra-se na elaboração de peças de dança em cruzamento e intersecção com a filosofia contemporânea. Elaboram trabalhos limítrofes que dialogam com o cotidiano, investigando, sobretudo, novas linguagens a partir da coreografia.